Revista nacional destaca conquistas das empresas juniores após um ano de sanção de lei proposta por Agripino

Um ano após a sanção da Lei das Empresas Juniores (13.267/16) no Brasil, associações ligadas ao setor garantem que a legislação trouxe mais segurança jurídica, entre outras conquistas para o setor. A revista “Pequenas Empresas e Grandes Negócios”, considerada uma das principais publicações ligadas ao ramo do empreendedorismo, traz neste mês de abril reportagem ressaltando que, após um ano de sanção, essa lei pode ser considerada uma das grandes conquistas das empresas juniores (EJ´s) no país.

A legislação é inédita no mundo. Apenas o Brasil possui uma norma que regulariza as empresas juniores. Autor da proposta e um dos principais defensores do empreendedorismo no Congresso Nacional, o senador José Agripino disse que lutar pela sanção da Lei 13.267 foi, sem dúvida, uma das maiores conquistas de seu mandato atual.

“Meu principal objetivo com essa lei é capacitar o jovem para o mercado de trabalho. É ajudá-lo a sair da universidade com mais experiência e, consequentemente, torná-lo mais completo para as demandas da vida profissional”, frisou o parlamentar. “Eu me orgulho muito de ser autor desta lei que está transformando a realidade de milhares de universitários”, acrescentou.

Sobre a Lei

A legislação determina as regras para o funcionamento das empresas juniores no Brasil. De acordo com a revista, por causa da regulamentação, o número de projetos desenvolvidos por essas associações aumentou em 80%. Somente em 2016, as 444 empresas juniores associadas desenvolveram 4900 projetos, totalizando um faturamento de R$ 11 milhões. De acordo com a lei, todo o faturamento deve ser reinvestido na própria empresa.

Atualmente, 111 universidades brasileiras já contam com algum tipo de empresa júnior em seu portfólio. Ainda segundo a “Pequenas Empresas e Grandes Negócios”, a meta é fechar 2017 com 565 empresas associadas,10 mil projetos finalizados e um faturamento de R$ 18 milhões.

Fotos: Mariana Di Pietro